Café representa 12,4% das exportações do setor

O café representou 12,4% de todas as exportações brasileiras do agronegócio em janeiro de 2012, em receita. O produto apresentou aumento de 1,64% em janeiro deste ano, com faturamento de US$ 605 milhões na comparação com o mesmo mês de 2011, quando o faturou US$ 595,4 milhões. O resultado faz parte do Informe Estatístico do Café publicado mensalmente pelo Departamento do Café, da Secretaria de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O volume embarcado no período teve redução de 23,5%, com 2,17 milhões de sacas de 60 quilos, ante 2,78 milhões de sacas em janeiro de 2011.

A receita cambial do café verde, que representa 96% do total das exportações, teve crescimento expressivo, em termos porcentuais, para Reino Unido (222,35%) e Finlândia (53,85%). Em contrapartida, foi significativa a queda para Espanha (-37,20%), Rússia (-22,42%) e Eslovênia (-14,68%).

O principal comprador de café verde brasileiro continua sendo a Alemanha, que, apesar de ser o principal destino das exportações da produção nacional, apresentou queda em janeiro de 2012 de 26,42% ante o primeiro mês de 2011. O segundo principal importador são os Estados Unidos que teve recuo de 23,07% nas compras do grão. O volume embarcado aumentou apenas para Finlândia (23,24%) e Reino Unido (20,15%). Em termos porcentuais, houve diminuição expressiva no volume vendido para Espanha (-53,33%), Rússia (-33,57%) e Eslovênia (-30,30%).

De acordo com o relatório mensal, o consumo brasileiro de café em 2012 é estimado em 20,4 milhões de sacas, com aumento de 3,5% contra 2011 (19,7 milhões de sacas). Os estoques do Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira) estão em 170 mil sacas.

 

Fonte:  Sonoticias

Receita de exportação de café verde cai

A receita cambial com exportação de café verde apresentou queda de 0,65% em janeiro passado, em comparação com o mesmo mês de 2011. O faturamento alcançou US$ 559,167 milhões, ante US$ 562,831 milhões, conforme relatório da Secretaria de Produção e Agroenergia, do Ministério da Agricultura, com base em números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O volume embarcado no período teve redução de 24,58%, para 117.094 toneladas ante 155.251 t em janeiro de 2011.

O preço médio de exportação teve elevação de 31,72% no período, de US$ 3.625/t para US$ 4.775/t. A receita cambial teve crescimento expressivo, em termos porcentuais, para Reino Unido (222,35%) e Finlândia (53,85%). Em contrapartida, foi significativa a queda para Espanha (37,20%), Rússia (22,42%) e Eslovênia (14,68%), além de outros três destinos.

O principal comprador de café verde brasileiro em janeiro de 2012, em volume, foi a Alemanha, que apresentou queda de 26,42% ante o primeiro mês de 2011. O segundo principal importador foram os Estados Unidos (queda de 23,07%). Entre os principais compradores, o volume embarcado aumentou apenas para Finlândia (23,24%) e Reino Unido (20,15%). Em termos porcentuais, houve diminuição expressiva no volume vendido para: Espanha (53,33%), Rússia (33,57%) e Eslovênia (30,30%).

 

Fonte:  Revistapegn

IGC dobra projeção de importações de trigo do Irã em 2011/12

A produção iraniana de trigo provavelmente recuará 11% nesta temporada, para 13,8 milhões de toneladas, enquanto a colheita total de grãos do país pode cair 9,7%.

O Irã pode importar 1 milhão de toneladas de trigo em 2011/12, volume duas vezes maior que o estimado anteriormente, informou nesta sexta-feira, 24, o Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês). O IGC também revisou a projeção das importações totais de grãos do país em 2011/12 para 5,2 milhões de toneladas, alta de 16% em relação à previsão anterior e de 24% frente à quantia observada em 2010/11, devido ao aumento das compras de trigo para moagem e ração animal, a fim de substituir o milho.

A produção iraniana de trigo provavelmente recuará 11% nesta temporada, para 13,8 milhões de toneladas, enquanto a colheita total de grãos do país pode cair 9,7% no período, para 18,7 milhões de toneladas, de acordo com o conselho. Vários países, incluindo o Irã, recentemente compraram mais trigo para ração animal em substituição ao milho, cujo preço está mais alto, explicou o IGC.

As importações iranianas de trigo em 2011/12 podem, até mesmo, exceder 2 milhões de toneladas, uma vez que o país encontra dificuldades para conseguir milho, informaram executivos da indústria. “Recentemente, tem havido alguns problemas no comércio de milho com o Irã, mas eu não estou ciente dos detalhes”, afirmou Andrew Druzyaka, conselheiro da Corporação Estatal de Grãos e Alimentos da Ucrânia. No trimestre de outubro a dezembro, 363 mil toneladas de milho ucraniano foram vendidas para o Irã, disse ele.

O Irã recentemente se voltou para Austrália, Canadá e Rússia, entre outras nações, para garantir ofertas de trigo e reabastecer os estoques locais. Os esforços devem-se principalmente às preocupações sobre as últimas sanções internacionais ligadas ao seu programa nuclear e ao que pode estar por vir na disputa com o Ocidente. A Rússia não planeja suspender as exportações de grãos para o Irã, a menos que a Organização das Nações Unidas as proíbam, informou na quarta-feira o vice-diretor do Ministério de Agricultura, Artem Krestyaninov.

Muitos exportadores de grãos e companhias de embarque estão preocupados com a capacidade do Irã de pagá-los devido à restrição aos negócios do setor bancário internacional com os bancos iranianos. Contudo, Arkadiy Zlochevsky, presidente da União de Grãos da Rússia, disse nesta semana que os pagamentos são feitos por linhas de crédito irrevogáveis em contas bancárias russas, então os exportadores não têm tido qualquer dificuldade.

A Austrália pode exportar mais grãos ao Irã por causa das sanções impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia, segundo Alan Winney, presidente do Emerald Group, uma das maiores exportadoras de trigo do país.

 

Fonte:  GrandeFm

Governo investe mais R$ 150 milhões para sustentar preços do trigo

 Com isso, uma segunda série de leilões para estimular a compra do produto nacional será realizada

O governo autorizou a destinação de mais R$ 150 milhões para apoiar a comercialização de trigo. Uma portaria interministerial publicada hoje no Diário Oficial da União assegura a continuidade dos leilões de Prêmio de Escoamento (PEP). Com a suplementação, uma segunda série de leilões para estimular a compra do produto nacional será realizada.

O último leilão da primeira série ocorrerá amanhã (10). Ao todo, o governo está investindo nesta safra R$ 300 milhões para sustentar os preços do trigo. Na primeira leva dos leilões de prêmios de escoamento, a participação estava restrita a moinhos e tradings. A partir de agora, criadores de aves e suínos, empresas processadoras de carnes que têm produtores integrados, cerealistas e indústrias de rações de todo território nacional também poderão participar.

O Ministério da Agricultura informou que o próximo leilão está marcado para a sexta-feira da próxima semana (17). Essas operações deverão ocorrer quinzenalmente. O secretário de Política Agrícola do ministério, Caio Rocha, a explica que iniciativa atende a demanda do setor produtivo.

“É uma maneira de garantirmos o preço mínimo ao produtor e viabilizar que parte do trigo seja destinada para ração animal”, disse ele, em entrevista durante a divulgação do quinto levantamento de safra da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Milho

Caio Rocha anunciou que a Conab vai ofertar 500 mil toneladas de milho por meio de leilões de Valor de Escoamento de Produto (VEP), para atender criadores e indústrias da região Sul, que enfrentam problemas com a falta da matéria-prima, por causa da quebra de safra provada pela estiagem. Ele também anunciou que a Conab também realizará vendas de milho em balcão, com ofertas de 27 toneladas por produtor rural, ao preço de R$ 20,50/saca.

 

 

Fonte:  CenarioMT

Funcafé libera R$ 57 milhões para estocagem e custeio de café Leia Mais: http://ultimoinstante.com.br/setores-da-economia/setor-agronegocio/62974-funcafe-libera-milhoes-para-estocagem-custeio-cafe.html#ixzz1l530Erp7

31 de janeiro de 2012 – O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) liberou R$ 57 milhões em janeiro para estocagem e custeio de café, tendo sido mais de R$ 10 milhões para estocagem, totalizando R$ 466 milhões autorizados desde junho de 2011, informou nesta terça-feira o Ministério da Agricultura. As operações para esta linha se encerraram hoje.

Para o custeio, foram liberados R$ 47 milhões, totalizando R$ 468 milhões desde outubro de 2011.

Segundo o ministério, o valor consolidado dos recursos do Funcafé alcançaram R$ 1,79 bilhão. Os R$ 130 milhões restantes deverão ser disponibilizados aos agentes financeiros até 31 de julho apenas para financiamento de custeio.

O Ministério da Agricultura repassa os recursos do Funcafé aos agentes financeiros de acordo com as regras do Conselho Monetário Nacional (CMN). Integram o Sistema Nacional de Crédito Rural 22 instituições, contratadas em 2011 para esta finalidade.

 

Fonte:  UltimoInstante

Governo faz leilão de trigo para escoar produção

A operação vai ofertar 380 mil toneladas do grão para os estados do RS, SC, PR e SP .

Brasília- O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou para o dia 27 de janeiro (sexta-feira), a realização de mais um leilão de prêmio de trigo para os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Serão ofertadas 380 mil toneladas (t) do grão, 20 mil t a mais do que o disponibilizado na operação que ocorreu na semana passada.

Serão leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro). O participante terá de comprovar a venda do produto para uma indústria moageira sediada na unidade da federação de plantio do trigo, ou a venda e o escoamento do grão para qualquer consumidor sediado fora da unidade da federação de plantio.

O secretário de Política Agrícola do Ministério, Caio Rocha, salientou a importância da operação que é a de garantir o preço mínimo e promover o escoamento do produto nas regiões necessitadas. Somadas as operações realizadas em novembro de 2011 e no dia 20, o governo federal já fez a equalização de 974 mil t, o que representa 16% da safra. |Mônica Bidese/MA.

 

Fonte:  Portal Fator Brasil

 

Leilão de trigo da Conab negocia 351 mil toneladas

O expressivo interesse do mercado nos leilões de trigo desta sexta-feira fez com que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) marcasse nova operação para a semana que vem. Antes que os leilões fossem interrompidos, no início de dezembro, a programação previa distribuição de subsídios a cada 15 dias. Hoje foi arrematado Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro) equivalente a 351,2 mil toneladas das 360 mil t, ou 98% do total.

O interesse foi de 100% para as 250 mil t a serem escoadas para o Nordeste e/ou exterior e de 92% para as 80 mil t destinadas exclusivamente ao mercado interno, via PEP. No Pepro, a demanda foi por 27,5 mil t das 30 mil t ofertadas. A disputa pelos prêmios resultou em deságio, exceto na operação de Pepro, na qual o subsídio é dado diretamente ao produtor, a quem cabe comprovar o escoamento e a venda do cereal pelo preço mínimo de garantia, condição básica para ter o benefício.

Nos leilões de PEP, que concedem a subvenção para moinhos e tradings, os valores foram caindo no decorrer do pregão, tamanha a disputa. Foi o caso do PEP para o Nordeste/mercado externo, que encerrou a R$ 135 a tonelada no caso do trigo paranaense e R$ 107/t para o trigo gaúcho. O valor inicial era de R$ 168,40/t para trigo dos dois Estados.

A redução dos prêmios também no leilão destinado ao mercado interno surpreendeu corretores, que questionaram eventual “vantagem” na operação para os moinhos. Um deles lembrou que no Paraná é possível comprar trigo pão no mercado de lotes a R$ 440 a tonelada, R$ 37/t abaixo do valor mínimo a ser pago no leilão, de R$ 477/t.

Em princípio, o PEP tem como objetivo reduzir a despesa com frete. Hoje, o prêmio para trigo do Paraná era de R$ 53,10/t na abertura, mas a disputa levou o valor a cair para R$ 36/t. Indústria de São Paulo gasta de R$ 65 a R$ 70/t para buscar trigo no Paraná. Por conta do interesse do mercado – que desde o início da colheita da safra, em setembro, pouco negocia trigo fora dos leilões – o Ministério da Agricultura confirmou hoje nova operação para a sexta-feira, dia 27, com volume maior: 380 mil toneladas em PEP e Pepro.

Os avisos com a definição dos volumes para cada Estado ainda não foram divulgados. Em nota, o Ministério da Agricultura anunciou o leilão, informando que desde novembro o governo federal apoiou, via subsídio, a comercialização de 974 mil toneladas, o equivalente a 16% da safra nacional. O Paraná, maior produtor de trigo do País, tem, segundo a Secretaria de Agricultura, 66% da produção de 2,4 milhões de toneladas de trigo ainda nas mãos de produtores e cooperativas.

 

Fonte:  Sonoticias

Conab retoma leilões de trigo no sul e em SP

Brasília – Na próxima sexta-feira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Ministério da Agricultura, retoma os leilões de prêmio de trigo para o Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Serão ofertadas 360 mil toneladas (t) do grão, segundo informações anunciadas nesta sexta-feira, 13 de janeiro, pelo secretário de Política Agrícola do Mapa, Caio Rocha.

O governo fará leilão de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro). No leilão de Pepro serão disponibilizadas 30 mil t, das quais 10 mil t são provenientes do Paraná; 10 mil toneladas, do Rio Grande do Sul, e 10 mil, de São Paulo. O participante terá de comprovar a venda do produto para uma indústria moageira sediada na unidade da federação de plantio do trigo, ou a venda e o escoamento do grão para qualquer consumidor final sediado fora da unidade da federação de plantio.

Já o leilão de PEP vai comercializar 110 mil toneladas do grão no Paraná, 195 mil toneladas no Rio Grande do Sul, e 20 mil t e 5 mil t em Santa Catarina e em São Paulo, respectivamente.

 

Fonte:  DCI

Trigo: Conab retoma leilões no Sul e São Paulo

Na próxima sexta-feira, 20 de janeiro, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), retoma os leilões de prêmio de trigo para os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Serão ofertadas 360 mil toneladas do grão, segundo informações anunciadas na última sexta, pelo secretário de Política Agrícola do Mapa, Caio Rocha.

O governo fará leilão de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro). No leilão de Pepro serão disponibilizadas 30 mil t, sendo 10 mil provenientes do Paraná, 10 mil toneladas do Rio Grande do Sul e outras 10 mil de São Paulo. O participante terá de comprovar a venda do produto para uma indústria moageira sediada na unidade da federação de plantio do trigo, ou a venda e o escoamento do grão para qualquer consumidor final sediado fora da unidade da federação de plantio. Já o leilão de PEP vai comercializar 110 mil toneladas do grão do Paraná, 195 mil t no Rio Grande do Sul, 20 mil t e 5 mil t, em Santa Catarina e São Paulo, respectivamente.

O objetivo dos leilões é garantir o preço mínimo ao produtor, além de estimular a safra nacional e o escoamento da produção. Entre novembro e dezembro de 2011 foram realizados três leilões e comercializados 590 mil t de trigo. Este é o quarto leilão de trigo e o primeiro neste ano.

 

Fonte:  Monitor Mercantil

 

Safra nacional 2012 de café deve bater recorde histórico

A safra 2012 de café deve bater um recorde histórico e alcançar entre 48,97 e 52,27 milhões de sacas, de acordo com levantamento feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Caso o número se confirme, esta será a maior safra produzida no país, superando o recorde de 48,48 milhões de sacas alcançadas no período 2002/2003.

O resultado representa crescimento de 12,6% a 20,2%, em relação à safra anterior, que foi de 43,48 milhões de sacas. O aumento se deve, principalmente, ao fato de 2012 ser ano de alta bienalidade, característica do grão que tem produtividade maior e menor em anos alternados.

Segundo a Conab, a produção nacional de café vem se desenvolvendo de forma crescente e consistente nos últimos dez anos. O café colhido em 2012 vai atender ao mercado interno, que cresce cerca de 4% ao ano, e recompor parcialmente os estoques nacionais a partir de agosto.

O secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Manoel Bertone, lembrou que os países produtores do grão na América Central e na África estão com a produção estagnada. “Dessa forma, abre-se a possibilidade do país continuar como protagonista no mercado mundial do grão”, afirma.

Minas Gerais
O Estado de Minas Gerais, maior produtor de café do país, também deve ter uma produção recorde em 2012. A safra mineira deve ficar entre 25,5 milhões e 27,1 milhões de sacas. Os números superam o valor alcançado em 2002 e 2010 (também anos de alta bienalidade), quando Minas produziu 25,1 milhões de sacas.

O levantamento da Conab também mostra que Minas Gerais será responsável por 52% da safra nacional.

Fonte:  EPTV