Famasul quer incluir MS em leilões de escoamento de trigo

Mato Grosso do Sul tem uma produção de 42 mil toneladas de trigo, com uma área plantada de 33 mil hectares, segundo dados do IBGE. Para comercialização do produto, apenas uma empresa instalada no Estado negocia a compra do trigo. Para melhorar as condições de preços para os produtores, a Federação de Agricultura e Pecuária de MS – Famasul vai oficializar junto a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) pedido de inclusão do Estado nos leilões de escoamento.

A solicitação da inclusão do trigo nos leilões da Conab partiu do Sindicato Rural de Laguna Caarapã. O município conta com uma área de 5.300 hectares, ficando atrás somente de Ponta Porã, no Estado, que destina 6 mil hectares para produção do grão. O plantio de trigo tem início no inverno, entre os meses de março e abril. A colheita acontece entre julho e agosto. No país, a ultima safra rendeu 5,788 milhões de toneladas, colhidas em uma área de 2,165 milhões de hectares.

Na última semana, o leilão de trigo da Conab comercializou 96% da oferta total de 380 mil toneladas. Com esse mecanismo, o governo reduz o custo do frete ao comprador e assegura ao vendedor um preço mínimo pelo produto.

Famasul
Como representante do homem do campo, a Famasul põe seu corpo técnico a serviço da competitividade da agropecuária, da segurança jurídica e da valorização do homem do campo. O produtor rural sustenta a cadeia do agronegócio, respondendo diretamente por 16,6% do PIB sul-mato-grossense e responsável por parcela substancial da produção industrial de Mato Grosso do Sul

 

Fonte:  Jptl

Sebrae abre inscrições de caravana para 29º Congresso da Panificação

Contribuir para o desenvolvimento e a modernização das padarias e confeitarias do Estado, um setor que emprega mais de 12 mil trabalhadores em Mato Grosso do Sul, segundo dados do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria. Esta é a proposta da caravana de negócios que o Sebrae e o Sindepan/MS organizam para o 29º Congresso Brasileiro da Indústria de Panificação e Confeitaria. As inscrições estão abertas até 18 de outubro.

O evento, que acontece este ano em Foz de Iguaçu, no Paraná, durante os dias 25 a 28 de outubro, vai abordar as principais mudanças do mercado da panificação. “O consumidor quer variedade e o conceito gourmet invadiu os estabelecimentos. Então mais do que nunca é preciso acompanhar as tendências”, destaca o analista técnico do Sebrae, Floriano Saratt.

Panoramas nacional e mundial serão apresentados através de debates, mesas redondas, palestras técnicas, cases e cozinha experimental. “O Congresso reúne nomes reconhecidos nacionalmente. Empresários e funcionários poderão participar de workshops, assistir às palestras e conhecer a Padaria Conceito, que reúne todas as tendências”, explica Saratt.

No local, Mato Grosso do Sul terá um estande montado pelo Sindepan/MS com vistas a divulgar o setor no Estado e conseguir apoio para a realização da edição do Congrepan que será realizada no ano de 2013. “Hoje, contamos com cerca de 500 estabelecimentos no Estado, a maioria micro e pequenas empresas, que contribuem para a produção de inúmeros produtos”, afirma o presidente do Sindicato, Raul Alves Barbosa.

Para participar da caravana de negócios, abertas a empresários e funcionários de padarias e confeitarias, é preciso se inscrever no congresso, pelo site www.congrepan2011.com.br e, após isso, efetuar a inscrição no Sebrae/MS. A saída de Campo Grande será no dia 25, às 23h30, e retorna no dia 28, às 19h.

 

Fonte:  PantanalNews

Queda de temperatura afeta produção de leite

Porto Alegre – As baixas temperaturas que atingiram a Região Sul do Brasil nos últimos dias pioraram ainda mais a situação das pastagens, que já estavam em péssimas condições, e deixaram o gado sem alimentação. A produção de carne e leite no Rio Grande do Sul está sendo afetada. No estado, chegou a chover um pouco, antes da chegada desta frente fria, mas a quantidade de água não foi suficiente para recuperar as pastagens.

Nas regiões produtoras de gado do Estado de São Paulo, a situação não é diferente e o gado também está sofrendo com as quedas bruscas de temperatura, que devastaram as pastagens. Em Minas Gerais, onde se localiza o maior rebanho leiteiro do País, não chove há 30 dias e em algumas regiões do estado, a ausência de chuvas chega a 90 dias. Nos pastos da Região Centro-Oeste, a longa estiagem e as altas temperaturas deixam as pastagens em péssimas condições, tornando o pasto natural insuficiente para alimentar todo o rebanho. Nos Estados de Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul a produção de leite e carne está prejudicada desde o início do inverno.

 

Fonte:  DCI

MS sediará Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite

Mato Grosso do Sul será sede da quinta edição do Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite.. O evento será em junho de 2012 e acontecerá no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande. Na última terça-feira, o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul (Senar/MS), Clodoaldo Martins, se reuniu com o presidente do Conselho Brasileiro da Qualidade do Leite, o professor Helio Langoni. “Por mais que não sejamos os maiores produtores de leite, temos a preocupação de produzir o produto com maior qualidade”, comentou Martins.

Hoje, os estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná lideram o ranking de produção de leite no Brasil. Mato Grosso do Sul aparece apenas em 12o lugar. Entretanto, o superintendente do Senar/MS aponta que “existe uma lacuna de abastecimento para as novas indústrias que estão se instalando no estado”. Conforme o consultor técnico da instituição, Matheus Vieira, o laticínio que se instalará em Terenos, interior de Mato Grosso do Sul, terá capacidade para captar 1 milhão de litros por dia. “Hoje, o Estado produz cerca de 500 milhões de litros de leite por ano, o potencial de mercado é muito grande”, comentou.

Conforme os dados apresentados pelo técnico do Senar, o produtor de Mato Grosso do Sul produz em média 50 litros/dia de leite, quando uma produção eficiente gira em torno de 100 litros/hectare. Outra dificuldade também está no preço pago ao produtor, o litro do leite tem uma defasagem de 10 a 12 centavos se comparado com os valores pagos em outros estados. “Por isso foi implantado em MS, o Conseleite [Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite em Mato Grosso do Sul] que traça um valor de referência do produto a partir de pesquisas de preço”, explica.

Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite em 2012

O 5o Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite será em Campo Grande (MS), nos dias 27, 28 e 29 de junho de 2012, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo. A realização do evento é da Fundação Educacional para o Desenvolvimento Rural (FUNAR), com a organização do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul e da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), com a promoção do Conselho Brasileiro da Qualidade do Leite.

 

Fonte:  MSnoticias

Procon faz pesquisa sobre leite e pão

O Procon de Mato Grosso do Sul está realizando levantamento, cujo resultado será divulgado ainda esta semana, para avaliar o valor cobrado pelo pão e o leite. Os dados a respeito do leite foram coletados em dez supermercados, enquanto a pesquisa do pão se deu no mesmo número de panificadoras. Os supermercados foram quatro atacadistas e seis varejistas, analisando 27 tipos e marcas da bebida, considerando apenas o preço no varejo. Já nas panificadoras o produto em questão foi o pão francês. “Neste levantamento não foi considerada a qualidade do produto”, explica coordenador de atendimento e fiscalização do Procon, Alexandre Rezende.

O objetivo do levantamento é informar e alertar o consumidor para a diferença de valores no mesmo produto. ”A pesquisa é a ferramenta para mostrar a diferença em valores, se for colocar na ponta do lápis, no fim do mês esta diferença pesa no orçamento”, comenta Alexandre Rezende. Esta é a primeira pesquisa de pão e leite feita pelo Procon de Mato Grosso do Sul nesta gestão.

 

Fonte:    Correio do Estado

 

Preço elevado esvazia leilão de trigo

Foi baixíssimo o interesse da indústria no trigo ofertado ontem (3) em leilão pela Conab, em Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Do total de 138,91 mil toneladas da safra 2008, foram vendidas apenas 3,75 mil toneladas. No RS, o governo não conseguiu comercializar nada das 75,6 mil toneladas de trigo-pão. A principal explicação para a baixa demanda foi o preço estipulado para a abertura do leilão, de R$ 480,00 a tonelada, enquanto no mercado é possível encontrar o produto a R$ 460,00. O consultor da Safras & Mercados, Élcio Bento, enumera outros fatores para o esvaziamento do leilão: incerteza de qualidade dos lotes, proximidade da colheita paranaense – que deve gerar recuo de preço – e o fato dos moinhos estarem abastecidos.

O superintendente regional da Conab, Carlos Manoel Farias, reconhece que o problema foi preço. Com isso, foi frustrado o objetivo da União de desovar estoques públicos para fazer caixa para as intervenções na nova safra e liberar espaço nos armazéns para receber os grãos que começam a ser colhidos no país. Desde abril, quando iniciou a intervir no mercado do trigo, a Conab ofertou 1,7 milhão de toneladas no país, mas somente 400 mil toneladas foram absorvidas pela indústria. Bento acrescenta que o prazo de pagamento das operações, de 15 dias, é considerado curto pelas empresas. O consultor da Fecoagro, Tarcísio Mineto, acredita que pode haver uma modificação do mercado nas próximas semanas, uma vez que o governo argentino limitou a concessão de licenças de exportação a cooperativas do setor.

 

Fonte:  Sonoticias

Nova classificação comercial do trigo é tema central da Reunião Brasileira de Pesquisa

A partir de julho de 2012, começa a vigorar a nova classificação comercial do trigo brasileiro. Para se adequar à regulamentação, as empresas obtentoras, responsáveis pelo desenvolvimento genético do trigo, precisam reclassificar todas as cultivares que estão no mercado em parâmetros que definem os trigos em melhorador, pão, doméstico, básico ou outros usos. A maioria dos trabalhos científicos inscritos na V Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale (V RCBPTT) apresentarão avaliações de qualidade tecnológica das cultivares.

O evento acontece de 25 a 28 de julho, na Embrapa Agropecuária Oeste, em Dourados/MS.
O consumo anual de trigo no Brasil é de 10 milhões de toneladas, dos quais 60% têm como destino a indústria de panificação, o que exige trigo da classe pão, com força de glúten (W) superior a 220, requisito mínimo para a fabricação do pãozinho francês, com casquinha crocante e bom volume. Este é o principal motivo que levou a mudança na classificação técnica do trigo, onde o valor mínimo da força de glúten para o enquadramento como trigo pão passa de 180 para 220. A indicação do trigo brando deixa de existir com a inclusão do trigo de uso doméstico (W=160), básico (W=100) e outros usos para qualquer valor abaixo de 100.

De acordo com o Chefe-Geral da Embrapa Trigo, Sergio Dotto, a primeira ação dos obtentores é a reclassificação de todas as cultivares a partir de parâmetros definidos pelas instituições de pesquisa ainda no mês de maio. Na Embrapa Trigo a nova reclassificação prevê que num volume de amostras, 60% precisam apresentar força de glúten acima de 220 para classificar como trigo pão. “É uma maior segurança para o produtor, já que o valor varia muito em função das condições climáticas de cada região e de cada nova safra”, afirma Sergio Dotto.

A característica genética da cultivar de trigo determina sua aptidão tecnológica para indicação de uso final, seja doméstico ou industrial. “Para assegurar maior liquidez ao trigo, a tendência do produtor é optar somente por cultivares tipo pão. Hoje são mais de 100 cultivares de trigo disponíveis no mercado, oferta que certamente será menor para atender a demanda por qualidade”, afirma Sergio Dotto.

O Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agropecuária Oeste e presidente da comissão organizadora do V RCBPTT, Claudio Lazzarotto, explica que a qualidade de panificação e a estabilidade das cultivares de trigo recomendadas têm sido alguns dos gargalos para a comercialização do trigo produzido no Brasil, principalmente em Mato Grosso do Sul. “Os novos parâmetros referenciais de qualidade darão ao produtor rural maiores garantias de produção de trigo de boa qualidade, preço e liquidez. Para a indústria moageira, a nova classificação técnica para o trigo brasileiro dará a tranquilidade de compra de grãos que atendam suas necessidades”, disse ele. Lazzarotto enfatizou, ainda, que a qualidade do trigo deverá ser um dos pontos fortes de debates durante a reunião da próxima semana, como resposta da pesquisa às necessidades da sociedade.

Trabalhos científicos – A V Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale (V RCBPTT) encerrou o prazo de submissão de trabalhos na terça-feira, 19 de julho, com 90 artigos registrados nas áreas: solos e nutrição vegetal; transferência de tecnologia e socieconomia; fitopatologia; entomologia; ecologia, fisiologia e práticas culturais; além de melhoramento, aptidão industrial e sementes. A V RCBPTT é realizada pela Embrapa Trigo e Embrapa Agropecuária Oeste e conta com apoio da BASF, Syngenta e Grupo Dallas.

As inscrições de profissionais da pesquisa, extensão rural e assistência técnica, entre outros segmentos das cadeias produtivas de trigo e triticale podem ser efetuadas até o início das atividades no dia 25/07. Nesta semana, as inscrições antecipadas chegaram a 145 registros. Para profissionais, a taxa de inscrição até o dia 24 de julho é de R$ 70,00, na data do evento será de R$ 80,00. Para estudantes, o valor prévio do investimento consiste em R$ 40,00, sendo que no dia do evento o custo será de R$ 50,00. Mais informações no site http://www.cpao.embrapa.br/reuniao_trigo_2011.

 

Fonte:  Sonoticias

Sindipan leva missão empresarial à Fipan em São Paulo

O Sindipan/MS (Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria de Mato Grosso do Sul), em parceria com o Sebrae/Ms, embarcou, na noite de ontem (19/07), uma missão empresarial para a Fipan (Feira Internacional da Panificação, Confeitaria e do Varejo Independente de Alimentos), que está sendo realizada até sexta-feira (22/07) no Expo Center Norte, em São Paulo (SP). Ao todo, 50 empresários, padeiros e gerentes de empresas do segmento de Campo Grande, Dourados e Coxim participam do grupo.

Segundo o presidente do Sindipan/MS, Raul Alves Barbosa, a oportunidade é um momento de aprendizado e troca de experiências. “Nosso foco é sempre trazer novas técnicas e tecnologias para Campo Grande, conhecer o que aqui ainda não temos acesso e, dessa forma, promover o crescimento do segmento da panificação no Estado”, disse, ressaltando que a parceria com a Fiems e Sebrae são de extrema importância para que os empresários possam ter a oportunidade de visitar eventos desse porte.

Ele informa ainda que os empresários do segmento também se preparam para um congresso de panificação, que será realizado em julho de 2012 em Mato Grosso do Sul. Para o empresário Carlos Henrique Brites, a Fipan é um momento único de trazer novidades para a sua padaria. “Procuramos implantar as novidades, desde maquinários até novos produtos, aos poucos, para que toda informação seja assimilada com êxito”, explicou.

Já o empresário Heraldo Ferreira Miranda, que é proprietário de uma das padarias mais tradicionais de Campo Grande, afirma que as feiras desse porte são essenciais para o desenvolvimento do próprio negócio. “Há 12 anos vou à Fipan e sempre trago novidades para implantar na minha padaria”, garantiu, ressaltando a importância da participação de empresários do segmento da indústria de panificação em eventos desse nível.

 

Fonte:  MSnoticias

Conab: geadas pontuais podem prejudicar lavouras de trigo

São Paulo, 6 – A lavoura de trigo 2011, que compõe a safra 2011/12, está em fase final de semeadura, informa a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em seu 10º levantamento, divulgado hoje

 

São Paulo, 6 – A lavoura de trigo 2011, que compõe a safra 2011/12, está em fase final de semeadura, informa a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em seu 10º levantamento, divulgado hoje. Segundo a Conab, até o momento o clima é bastante favorável à cultura, com alguns problemas pontuais no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul pela ocorrência de geadas que podem prejudicar a parcela da lavoura que está na fase de floração. O efeito deste evento climático poderá ser avaliado nos próximos dias, por meio da observação das lavouras. “O Paraná já tinha enfrentado problemas no período de semeadura pela falta de umidade no solo, que dificultou a germinação do trigo”, acrescentam os técnicos da estatal. O levantamento da Conab revela que no Rio Grande do Sul ainda restam a semear pequenas áreas, o que deve ser efetivado até domingo. Em Santa Catarina, a semeadura foi bastante lenta, por causa das condições climáticas, onde o excesso de chuvas atrapalhou o estabelecimento da lavoura. “Em Goiás, a semeadura foi concluída, salientando-se que neste Estado a maior parte da lavoura é irrigada”, comenta a Conab. Em praticamente todos os Estados produtores ocorreu redução de área. Apenas no Rio Grande do Sul e no Distrito Federal a área semeada teve incremento em relação à safra anterior. Nesta safra, de acordo com o levantamento atual, a área cultivada deve ficar ao redor de 2,06 milhões de hectares, 4,1% menor que a área cultivada na safra 2010/11, que foi de 2,15 milhões de hectares. A produção nacional de trigo 2011, safra 2011/12, está prevista em 5,5 milhões de toneladas, 7,3% menor do que foi colhido na safra anterior, quando a produção alcançou 5,9 milhões de toneladas.

 

Fonte:  Tosabendo