Consumo estimado para a safra 2011/2012 no Brasil é de 10,4 milhões de toneladas

10 de fevereiro de 2012- O trigo é considerado um dos alimentos mais importantes na dieta humana. Da farinha de trigo se faz pão, bolo, pizza, massas, biscoitos, entre outros produtos que integram a nossa alimentação. Atualmente é possível encontrar mais de mil tipos de massas e estima-se que cerca de 50% do trigo consumido no Brasil é usado na

fabricação de pães.
O consumo estimado de trigo no Brasil para a safra 2011/2012 é de 10,4 milhões de toneladas e a produção de 5,8. Para tentar reduzir esse déficit existente e minimizar as importações, a alternativa mais viável é estimular a produção interna por meio de cultivares adaptadas às diferentes regiões produtoras.

Como a região dos Cerrados apresenta grande potencial para a expansão da cultura do trigo, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, como forma de tentar estimular o aumento da produção nacional e melhorar a qualidade do trigo vendido no País, tem indicado para cultivo na região as cultivares de trigo BR 18 (Terena), BRS 254 e BRS 264.

BR 18 (Terena) – variedade conhecida dos agricultores, destaca-se pela precocidade, ampla adaptação, principalmente em anos pouco favoráveis para a cultura do trigo. Cultivada principalmente no sistema de sequeiro, com potencial produtivo de três toneladas por hectare. É recomendado para os estados do Paraná, São Paulo (região III e IV), Minas Gerais, Mato Grosso do Sul (região III), Mato Grosso, Distrito Federal e Goiás. Tem moderada resistência à ferrugem da folha e moderada suscetibilidade à brusone e ao oídio. Apresenta ainda baixo porte (74 cm), moderada sensibilidade ao alumínio, grãos vítreos, alta força de glúten e farinha de boa qualidade industrial (classe Trigo Pão com boa força do glúten – W médio de 270). Recomenda-se aos agricultores realizarem a colheita prontamente após a maturação, quando houver risco de chuvas, a fim de evitar prejuízos de germinação na espiga.

BRS 254 - identificada como trigo Melhorador (W médio de 330), essa cultivar atende ao mercado de farinha de trigo. É indicada para Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal e Bahia. Em sistema irrigado, tem potencial produtivo de seis toneladas por hectare. Apresenta resistência à debulha natural, moderada suscetibilidade às manchas foliares e ampla adaptação (recomendada para regiões com altitude superior a 400 m). O plantio em regiões com altitude superior a 900 m demonstra ainda expressiva elevação no rendimento, como também em regiões de clima quente.

BRS 264 - é uma cultivar de trigo da classe Pão (W médio de 241) com potencial produtivo de 7,5 toneladas por hectare. Recomendada para os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Distrito Federal. Tem como principal diferencial a precocidade (110 dias no Distrito Federal), que diminui os custos de produção devido à menor demanda de água e energia elétrica.

Fonte:  UltimoInstante

Perda de café no sul de Minas Gerais é compensada por outras regiões

A Exportadora Comexim, que estimou hoje a safra brasileira de café em 55,8 milhões de sacas de 60 kg em 2012, informa que a leve seca no fim de setembro passado provocou perdas na produção no sul de Minas, principal área produtora do País. No entanto, a exportadora pondera que a frustração de safra na região será compensada pela produção no cerrado mineiro, Espírito Santo e Bahia.

A Comexim comenta, ainda, que outro fator importante que vem sendo observado no Brasil é que a bienalidade do café (safra grande alternada com outra menor no ano seguinte) vem se reduzindo a cada ano. “Isso pode estar ocorrendo por causa dos melhores tratos culturais das lavouras, aplicação de fertilizantes e números de safra mais transparentes por diferentes fontes, especialmente do governo”, afirma em comunicado o trader da Comexim, John Wolthers.

No momento atual, informa a Comexim, os preços do café brasileiro definitivamente não atraem os compradores. Os preços internos caíram, especialmente para conillon, mas as cotações dos cafés arábica ainda estão muito altas.

 

Fonte:  Tosabendo

Safra de trigo em 2011 é menor mas com excelente qualidade

A safra de trigo em 2011, em áreas irrigadas com pivô central, no Distrito Federal, Minas Gerais e em Goiás acompanhou à redução de produtividade verificada em todo o país. Em comparação à safra anterior, a produtividades foram 10% inferior, embora algumas lavouras tenham alcançado em torno de 115 sacos por hectare com a cultivar BRS 264, quando a média foi de 90 sacos por hectare. Levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indica que a produção nacional deverá ser de 5.129,9 mil toneladas, 12,8% menor do que foi colhido em 2010.

A área total cultivada com trigo irrigado no Distrito Federal, Minas Gerais e em Goiás também teve uma redução neste ano. Em relação à 2010, a cultura foi plantada em menos 20% das áreas. As condições climáticas favoreceram o bom desenvolvimento das plantas de trigo na região do Brasil
Central. “A maioria das lavouras foi colhida no período seco, sem a ocorrência de chuvas, o que favoreceu a qualidade dos grãos e, consequentemente, favoreceu a comercialização. Os produtores estão vendendo a sua produção entre R$ 37,00 e R$ 42,00 por saco de 60 kg”, explica o pesquisador da Embrapa Cerrados Júlio Cesar Albrecht.

As cultivares BRS 264 e BRS 254 são indicadas para região do Cerrado do Brasil Central, que compreende os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Bahia e o Distrito Federal. Atualmente, 90% da área plantada com trigo irrigado nessa região utiliza as variedades lançadas pela Embrapa. As unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa
Cerrados e Embrapa Trigo são as responsáveis pelo desenvolvimento do programa de melhoramento do trigo.

Somado à boa produtividade, o trigo produzido na região é todo de alta qualidade, comparável ao das melhores regiões produtoras do mundo, como o Canadá. Todas as variedades plantadas no Cerrado são de trigo pão e melhorador, conforme a demanda da indústria moageira. “No Brasil, o trigo de melhor qualidade industrial é o do Cerrado, em função de sua alta força de glúten e estabilidade”, acrescenta o pesquisador.

Menos perdas – o ataque de pragas e doenças não foi significativo nesta safra, o que contribuiu para a produtividade e a qualidade do trigo nessa região. Dessa forma, muitos produtores conseguiram chegar até o final do ciclo com apenas duas aplicações de fungicidas e duas de inseticida, o que baixou os custos das lavouras.

A brusone continua sendo a doença que mais causa prejuízos na triticultura do Cerrado. Segundo o pesquisador da Embrapa Cerrados, no caso do plantio do trigo irrigado, a doença se agrava com a ocorrência de chuvas no estágio de espigamento. Isso diminui consideravelmente a produtividade da lavoura e a qualidade de grãos. Os grãos infectados apresentam-se enrugados, pequenos, deformados e com baixo peso específico. Para as lavouras permanecerem livres desta doença, os tratamentos com fungicidas, indicados pela pesquisa, devem ser preventivos.

A Embrapa possui projetos em andamento que visam identificar fontes de resistência à brusone, mas ainda não foram desenvolvidas cultivares resistentes ao fungo Pyricularia grisea, causador da doença. Experimentos em rede estão sendo desenvolvidos em Planaltina-DF, Dourados-MS e Londrina-PR. Nos campos experimentais da Embrapa Cerrados, em Planaltina-DF, estão sendo testados vários genótipos anualmente. O objetivo é selecionar materiais que apresentem baixo nível de incidência da doença.

 

Fonte: Sonoticias

Tecnologia da Embrapa eleva qualidade do café

Brasília – Depois de onze anos, a Embrapa Cerrados, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, está chegando ao estágio final da pesquisa sobre o uso do estresse hídrico em café irrigado.

A técnica desenvolvida consiste em deixar as plantas sem água, na condição de estresse hídrico, durante um período de 72 dias, sendo o período ideal entre 24 de junho e 4 de setembro. Nesta situação, a floração se dá de maneira uniforme e os grãos cereja aparecem ao mesmo tempo.

De acordo com o coordenador do estudo, o pesquisador da Embrapa Cerrados, Antônio Guerra, com a utilização desta tecnologia foi constatado um aumento de frutos cereja superior a 50%. “Isso proporciona melhoria na qualidade do produto, tanto no aspecto físico, quanto na qualidade da bebida”. Com relação à produtividade, os ganhos chegam a 15%, “devido ao melhor enchimento de grãos e à redução de grãos defeituosos”, explica o pesquisador.

O modelo também promove a queda no custo da produção. Cerca de 35% da água e da energia necessárias para a irrigação são economizadas. Para Guerra, trata-se de uma ótima alternativa ao produtor. “Não há necessidade de investimento e é possível usar a água economizada para outras finalidades”, explica. O pesquisador é engenheiro agrícola e PhD em engenharia de irrigação.

Cafeicultores da Bahia, Goiás e Minas Gerais participam da pesquisa. A Embrapa estima que mais de 10 mil hectares de café sejam cultivados com o método. O produtor Guy Carvalho usa a técnica há 5 anos e confirma a eficácia. “Melhorou a qualidade do nosso café e colaborou com a produtividade”, comemora.

 

Fonte:  DCI

Tecnologia aumenta a produtividade do café

Estudo da Embrapa Cerrados confirma ganho de cerca de 60% se o grão for submetido a uma ausência extrema de água
Depois de doze anos, a Embrapa Cerrados, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, concluiu a pesquisa sobre café. O projeto confirmou o aumento da produtividade do café, em cerca de 60%, sem o uso de irrigação.

A técnica desenvolvida consiste em deixar o grão sem água, na condição de estresse hídrico durante um período de 72 dias, sendo o período ideal entre 24 de junho e 4 de setembro. Nesta situação, a floração se dá de maneira uniforme e os grãos cereja aparecem ao mesmo tempo. Com a irrigação convencional, 25 a 30% da floração é simultânea. Já com o método desenvolvido, esta faixa passa para 85 a 95%.

O modelo promove a queda no custo da produção. Cerca de 35% de água e da energia necessária para irrigação são economizadas. Além disso, o custo de operação da colheita cai de 40 a 45%. Para o coordenador da pesquisa, Antônio Guerra, trata-se de uma ótima alternativa ao produtor. “Não há necessidade de investimento e é possível usar a água economizada para outras finalidades”, explica. O pesquisador é engenheiro agrícola e PhD em engenharia de irrigação.

Cafeicultores da Bahia, de Goiás e Minas Gerais participaram da pesquisa e já utilizam a técnica. Há a estimativa que cerca de 36 mil hectares de café sejam cultivados com o método. O produtor Guy Carvalho utiliza o período de estresse hídrico há 5 anos e confirma a eficácia. “Melhorou a qualidade do nosso café e colaborou com a produtividade”, comemora.

A pesquisa foi desenvolvida por uma equipe multidisciplinar com especialistas em engenharia agrícola, fisiologia da planta, nutrição, agronomia, controle de pragas e doenças, que analisaram todos os aspetos do sistema. A Embrapa recebeu apoio de universidades, produtores, empresas privadas e instituições. “O trabalho em conjunto foi fundamental para que o projeto fosse viabilizado”, afirma o coordenador Antônio Guerra.

 

Fonte:  Sonoticias

Festival de Chocolate de Ilhéus (BA) começa nesta quarta

Entre os dias 6 e 10 deste mês, a cidade de Ilhéus, na Bahia, irá sediar o terceiro Festival de Chocolate. O evento, que conta com o apoio da Secretaria do Turismo e da Bahiatursa, deverá reunir aproximadamente 50 estandes e será realizado no Centro de Convenções da cidade.

Para o organizador do evento, Marcos Lessa, o “Festival do Chocolate deverá incrementar o fluxo de turistas em Ilhéus e reafirmar a região como um dos mais importantes polos de produção do cacau e do chocolate no País”. No sábado (dia 9), um show com a cantora Nana Caymmy promete ser uma das novidades para esta edição do evento.

ROTEIRO NO SALÃO
Durante o 6º Salão do Turismo, que acontece entre os dias 13 a 17 de julho em São Paulo, será lançado oficialmente os roteiros Caminhos do Chocolate, formatado em parceria entre a Bahiatursa e o trade local.

O roteiro inclui os mais importantes pontos turísticos da região, a história do alimento, desde a plantação até o processo de produção do chocolate.

 

Fonte:  Panrotas

Ceplac está na Expo Brasil Chocolate

Os pesquisadores da Ceplac Almir Martins e Adonias de Castro Virgens Filho estão entre os palestrantes da Expo Brasil Chocolate 2011, que acontece no Centro de Eventos São Luis, em São Paulo.

 

O evento, que será aberto nesta quinta-feira, reunirá produtores e fabricantes de matéria-prima, expositores nacionais e internacionais da cadeia produtiva do chocolate.

 

Durante a exposição haverá concurso de cacau fino, com premiação para a melhor entre as 18 amostras de amêndoas de cacau de produtores da Bahia e do Pará. As amostras foram selecionadas pela Ceplac.

 

Antes de ser indicadas para o concurso, as amostras de amêndoa seca passaram por classificação, análise físico-química e sensorial, prova de corte e contraprova pelos técnicos e pesquisadores da Ceplac.

 

Os produtores que não tiveram amostras classificadas vão ser orientados por extensionistas e pesquisadores sobre a fermentação, para se adequar às normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

A Expo Brasil vai até 3 de julho e o público terá oportunidade de conhecer painéis que mostram as várias fases do cacau, como colheita e quebra até o beneficiamento, ou seja, o chocolate pronto para o consumo.

 

Rússia quer grãos baianos

A Bahia está mais uma vez na mira das parcerias internacionais. A vinda do cônsul russo, Andrey Budaev, a Salvador com o interesse em promover um intercâmbio através do fortalecimento das relações bilaterais entre Bahia e Rússia, mostra o reconhecimento dos russos quanto à potencialidade de grãos produzidos no oeste baiano, em especial, a soja. Este foi um dos assuntos tratados, no último dia 16 durante reunião com o secretário da agricultura em exercício, Jairo Carneiro e o superintendente de política do agronegócio, Jairo Vaz.

De acordo com o cônsul, a Rússia é dependente em alimentos, principalmente em produtos derivados de soja. “A Bahia é uma grande produtora em grãos e frutas. Temos interesse em estabelecer essa relação com todo o apoio político e diplomático” O cônsul ainda sugeriu como 1a medida de aproximação entre a Rússia e a Bahia que fosse formada uma comissão empresarial baiana para visitar o país, a fim de fortalecer parcerias.

Durante o encontro, o superintendente Jairo Vaz, ressaltou a importância do estreitamento da relação da Rússia com a Bahia e propôs o interesse do estado em adquirir produtos da Rússia, como trigo e fertilizantes. “Existe uma necessidade do mercado baiano em trigo. Bahia importa 100% do trigo e a Rússia é um grande produtor. Do nosso ponto de vista estamos interessados na possibilidade de uma parceria entre empresários baianos e russos, a fim de exportar grãos processados e frutas, em contrapartida, importar fertilizantes e trigo”.

Em de 2010, a exportação da Bahia para a Rússia foi de U$ 5.462.313, sendo 87% provenientes do agronegócio, os principais produtos exportados foram: café, uvas frescas, cravo da índia e mangas frescas. Já as importações feitas pela Bahia para a Rússia em 2010 foram de U$ 53.691.710, sendo os principais produtos importados a borracha, naftas e máquinas. As informações partem da Assessoria de Imprensa da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia (Seagri).

 

Fonte:  Aviculturaindustrial