Bunge volta ao mercado de farinhas para o consumidor

A Bunge Brasil volta ao mercado de farinhas destinadas ao consumidor final. Com investimentos de 8 milhões de reais, a empresa aposta no retorno da marca All Day apresentando uma linha completa de produtos.
A nova linha contará com portfólio completo de farinhas, que serão oferecidas nas versões tradicional, com fermento e integral, em embalagens de 5 quilos, 1 quilo e 500 gramas. A empresa também promete outras novidades “em breve”.

Segundo o diretor de Marketing de Alimentos & Ingredientes da Bunge Brasil, Sérgio Mobaier, a Bunge vai “replicar no varejo toda a experiência bem sucedida em termos de qualidade e desempenho do produto no food service. Com isso, pretendemos alcançar 5% do mercado em dois anos”.

Para definir qual marca seria utilizada, a Bunge realizou pesquisas com consumidores e resgatou do seu portfólio a marca All Day, lançada em 1991. Mesmo sem ativação há mais de 10 anos, a marca foi uma das mais lembradas por 48% dos consumidores consultados.

FONTE: Bunge – Associado Abima

Abima apresenta iniciativas para setor de pães e bolos industrializados

Na semana passada, realizamos a 8ª reunião do Conselho Gestor & Associados de Pães e Bolos Industrializados e usamos o encontro para informar o status de algumas iniciativas, bem como apresentar e gerar novas ideias que beneficiem o consumo dos nossos produtos e o setor como um todo.

Começamos com o carro-chefe da nossa atuação para o setor este ano: a busca da redução de PIS e Cofins para os pães industrializados. Neste sentido, continuamos em Brasília, com ajuda da Consultoria Rosemberg, demonstrando a viabilidade da desoneração para nosso produto. Nossos argumentos se baseiam em três dados principais: a penetração do pão industrializado no mercado brasileiro; o preço do produto frente ao pão francês, quando medido por quilo; e o consumo por classe social. Nossa intenção é mostrar ao governo federal que a desoneração beneficia não só a indústria como a população, uma vez que o alimento é barato e prático.

Outro ponto debatido na reunião foi o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) por meio do CEMPRE (Compromisso Empresarial de Reciclagem), que soma iniciativas neste sentido. As empresas Bimbo, Juliana Pães, Panco e Seven Boys, juntamente com outros associados do setor de massas alimentícias, aderiram a nossa proposta e vão participar, por meio da Abima, do projeto Dê a Mão Para o Futuro, uma parceria com a Abihpec e Abipla para coordenar cooperativas de reciclagem em todo o Brasil.

Continuamos também trabalhando em conjunto com outras entidades para revogar o Decreto nº 4680/03, que institui a obrigatoriedade da colocação do símbolo de Organismo Geneticamente Modificado (OGM) nas nossas embalagens. Nosso próximo passo nesse sentido é uma reunião com a Ministra do Gabinete Civil da Presidência da República para apresentação do projeto. Ainda sobre este tema, anunciamos um workshop com o tema “Atualidades em Assuntos Regulatórios de Alimentos”, que será realizado no próximo dia 6 de junho em parceria com a Abitrigo, a ANIB e o Simabesp.

Por fim, informamos que o setor de pães industrializados faturou R$ 3,5 bilhões em 2012, número 9% superior ao registrado em 2011. No acumulado de 5 anos, o crescimento foi de 55% atingindo no ano passado o volume total de 997,4 mil toneladas. Os bolos industrializados também seguiram a tendência de alta, com aumento de 12% no faturamento, chegando a R$ 663 milhões, e receita 58% acima da registrada há cinco anos.

Agradecemos a todos os associados pela presença e nos colocamos à disposição para eventuais dúvidas e sugestões no e-mail abima@abima.com.br

FONTE: Abima

Setor de pães industrializados fatura R$ 3,5 bilhões em 2012

Encerramos o mês de março com a divulgação do balanço de 2012 do setor de pães e bolos feito pela Abima, em parceira com a Nielsen. O levantamento mostra aumento de mais de 50% no faturamento desses dois segmentos nos últimos cinco anos.
buy cialis online
O setor de pães industrializados registrou faturamento de R$ 3,5 bilhões em 2012, valor 9% superior ao verificado em 2011. Entre 2008 e 2012, a receita com as vendas do produto aumentou 55%. Em volume, a indústria do “pão de forma” também vem se expandindo ano a ano. De 2008 até agora, houve crescimento de 24% nas vendas no mercado interno. Somente no ano passado, o volume total atingiu 997,4 mil toneladas.

O crescimento ano a ano do setor de pães industrializados se deve à busca de uma alimentação mais equilibrada e prática, além dos preços mais atrativos.

O faturamento dos bolos industrializados também seguiu tendência de alta com aumento de 12% em 2012, em relação ao ano anterior, totalizando R$ 663 milhões, receita 58% acima da registrada cinco anos atrás. O setor também se destaca pelo volume de vendas. Entre janeiro e dezembro de 2012, 360 mil toneladas do produto foram vendidas no país. Aumento de 20%, em relação a 2011. Nos últimos cinco anos, o volume total de vendas cresceu 67%.

Os pães industrializados têm penetração de 71% no mercado brasileiro, enquanto o segmento de bolos responde por 45%. Nossa indústria tem um papel importante do fomento da introdução desse alimento na mesa do brasileiro já que mais da metade da população nunca experimentou um bolo industrializado. Temos um potencial de crescimento enorme nesse segmento.

Os dados estão disponíveis no site www.abima.com.br .

FONTE: ABIMA

Abima incentiva consumo correto do pão

Uma de nossas funções como representantes das indústrias de pão industrializado é divulgar informações qualificadas para que o consumo de nossos produtos seja sustentável. Recentemente, percebemos que uma das reclamações mais frequentes nos atendimentos ao consumidor de nossos associados está relacionada ao mofo, ou ao tempo de vida útil do pão. Pensando nisso, resolvemos reunir as principais dicas e curiosidades para conservar o pão por mais tempo.
O cuidado deve começar antes mesmo da compra do produto. É importante verificar se o pão está exposto em uma gôndola arejada e fresca, longe de produtos que tenham cheiro forte. Verifique também o rótulo e a data de validade

impressa na embalagem, e tente não deixar o produto no carro por muito tempo, uma vez que a umidade e o calor do porta-malas podem diminuir a vida útil do produto.
Em casa, nunca deixe a embalagem do pão aberta e use o arame que acompanha o pacote para fechar bem assim que terminar o consumo. Guarde em local fresco e arejado, longe de produtos de limpeza, e evite deixar o pão em cima do microondas ou sobre a pia, pois o calor e a umidade provocam a proliferação dos microorganismos responsáveis pelo mofo. Também é importante evitar a exposição ao ar, sol ou lâmpadas.

Colocar na geladeira, principalmente para quem mora sozinho e demora mais para consumir o pacote todo, pode ser uma boa opção para conservar o pão. Entretanto, coloque longe de gotas de água e na parte menos úmida do refrigerador. Congelar também pode ser uma boa ideia, mas lembre-se de fechar bem a embalagem e verifique se não há umidade. Além disso, é importante não retirar e recolocar o pão no freezer

várias vezes. Por isso, tente congelar em porções individuais.

Nosso papel é divulgar informações de qualidade como essas para incentivar o consumo consciente. Contamos com todos vocês para que essas dicas se popularizem e bom apetite!

Fonte: ABIMA

Abima participa do Ganepão e do Mega Evento Nutrição 2012

Uma das prioridades da atual gestão da Abima é levar informações de qualidade que favoreçam nossos produtos junto aos consumidores e também aos formadores de opinião. Isso porque ao mostrar às nutricionistas, por exemplo, os benefícios das massas alimentícias e dos pães/bolos industrializados para a alimentação, automaticamente esse conhecimento é reproduzido por elas para seus pacientes, clientes, em palestras, entrevistas e, com isso, conseguiremos atingir mais pessoas. Pensando nisso, a Abima vai participar pelo terceiro ano consecutivo de dois eventos bastante importantes da área de nutrição. O primeiro deles, o Ganepão, acontece já neste mês, entre os dias 20 e 23 de junho. Em parceria com a Abitrigo e com a ANIB, a Abima vai promover uma palestra com o Dr. Mauro Fisberg, especialista da Unifesp, sobre o macarrão, o pão e o biscoito na história da alimentação humana. Fisberg será precedido pela nossa engenheira de alimentos, Sonia Romani, que falará sobre a fisiologia e a importância do trigo.

O evento será no Centro Fecomercio de Eventos, em São Paulo. Em outubro, as três entidades participarão, novamente juntas, do Mega Evento Nutrição 2012. Na ocasião, teremos um estande com as logomarcas das associações no qual ofereceremos brindes e folders com informações de qualidade para os participantes. Além do estande, teremos espaço para apresentações, para as quais ainda estamos definindo os temas e os palestrantes. Nossa intenção, a princípio, Cialis canadian pharmacy é falar sobre os benefícios do carboidrato e desmistificar o consumo do glúten. Assim, continuamos com nossas estratégias sempre em busca do aumento do consumo de massas, pães e bolos industrializados. Contamos com vocês, nossos associados, para diversificar nossas ações e atuar ainda mais intensamente na divulgação de informações qualificadas. Ideias e sugestões de eventos ou temas para serem trabalhados são bem-vindas e podem ser enviadas para o e-mail abima@abima.com.br.

Fonte:  Abima

zp8497586rq

Abima, ANIB e Abitrigo promovem treinamento em APPCC

A qualidade e a segurança dos produtos comercializados pelos associados da Abima estão constantemente no radar da atual gestão. Por isso, decidimos nos unir à ANIB e à Abitrigo para oferecer mais uma oportunidade de aprimoramento aos fabricantes de trigo, massas alimentícias, pães industrializados e biscoitos. Por meio da atuação do grupo Bureau Veritas, as três entidades vão promover em duas capitais o treinamento em APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle). A APPCC é a principal plataforma para cumprimento da legislação internacional e das boas práticas de fabricação em todos os setores da indústria alimentícia. Também é um aliada importante para obtenção de certificações exigidas para comercialização de alimentos em outros países. Um sistema ligado à APPCC ajuda os fabricantes a reconhecer perigos e estabelecer limites críticos de controle durante todo o processo de produção. Portanto, o treinamento é essencial para todos os setores da indústria de alimentos, incluindo fabricantes, produtores primá

rios, processadores e prestadores de serviços ligados à alimentação. E nossa indústria não poderia estar de fora de uma certificação tão importante internacionalmente, que demonstra o comprometimento com a segurança, reforça a confiança dos consumidores e da sociedade e, por fim, garante que seus sistemas estejam em ordem durante todo o processo de produção. Para desenvolver em nossos associados a consciência sobre a importância de se produzir alimentos seguros e oferecer subsídios para os Planos APPCCs em suas organizações, nós, juntamente com a ANIB e a Abitrigo, vamos realizar o treinamento em São Paulo, nos dias 26 e 27 de junho, e em Recife, em 3 e 4 de julho. As inscrições para a capital paulista já foram encerradas, mas ainda temos vagas para Recife. Quem tiver interesse e ainda não se inscreveu, favor enviar e-mail para a Sonia Romani (tecnico@abima.com.br). Para associados, o investimento é de R$ 500,00. Contamos com a participação de todos!

Fonte:  Abima

zp8497586rq

O Encontro das Indústrias de Macarrão, Biscoito e Pão vem aí!

Para quem ainda não se inscreveu, decidimos lembrar nesta semana que está chegando o terceiro Encontro das Indústrias de Macarrão, Biscoito e Pão Industrial, realização da Abima em parceria com a ANIB. Neste ano, o congresso será realizado em três dias: 24, 25 e 26 de maio, no Hotel Transamérica Ilha de Comandatuba, litoral sul da Bahia.
Ressaltamos a importância da participação dos nossos associados para nos fortalecer institucionalmente. A ideia é reunir os representantes dos três setores para debater assuntos relevantes, fomentar a troca de experiências e estimular a integração. Entre os temas que serão debatidos, estão: “Cenário Econômico Nacional e Internacional”, com Luís Pablo Rosemberg; “Sustentabilidade: Bimbo, uma História de Sucesso”, com Juan Pablo Malleret; “Macarrão, Biscoitos e Pão na História da Alimentação Humana”, com o Dr. Mauro Fisberg, da UNIFESP; e “Tendência da Regulamentação de Alimentos no Brasil”, com Denise Resende, da Anvisa.
No segundo dia, as palestras abordarão “Branding: Como não Cair em Armadilhas”, com Jaime Troiano; “Cenários e Tendências do Varejo”, com Eduardo Terra (PROVAR); “Mercado de Derivados do Trigo”, com Mario Ruggiero (Nielsen); e, por fim, “A Dinâmica do Consumidor e a Resposta do Mercado de Derivados do Trigo”, com Carlos Cotos (Kantar-Worldpanel). Para estimular ainda mais a integração, a programação conta ainda com jantares, coquetéis e uma exposição com as novidades dos principais fornecedores. Quem ainda não se inscreveu, não perca tempo! É só entrar no site: www.abima.com.br.
E no próximo domingo, 31 de março, comemoramos o Dia da Saúde e Nutrição. A data é um momento oportuno para lembrarmos como andam os hábitos alimentares da população brasileira e como podemos ajudar a melhorá-los. A Abima está sempre disposta a divulgar informações que qualifiquem o carboidrato como importante fonte de energia e saúde, e contamos com todos para desmistificar o glúten como fator que causa a obesidade.

Fonte: Abima

Vendas do setor de massas alimentícias crescem 3,5%

Resultado é impulsionado pelo aumento no consumo de massas frescas e instantâneas

O setor de massas alimentícias registrou crescimento de 3,5% no faturamento de 2011 com relação a 2010, atingindo R$ 6,1 bilhões. O crescimento foi impulsionado principalmente pelas categorias de massas instantâneas (5,9%) e frescas (18,2%), com faturamentos de R$ 1,8 bilhão e R$ 539 milhões, respectivamente. Os números foram divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias (Abima), em parceria com a consultoria Nielsen.

 

Em 2007, início da série analisada pela Abima/Nielsen, o faturamento total do setor era de R$ 5,1 bilhões. Isso significa que o aumento nos últimos cinco anos chegou a 18,7%. As massas frescas pularam de R$ 366 para R$ 539 milhões (crescimento de 47,3%), enquanto as instantâneas subiram de R$ 1,4 para R$ 1,8 bilhão, o que representa aumento de 32,9%. A categoria de massas secas continua sendo o carro-chefe do mercado e teve aumento de 9,6%, alcançando R$ 3,7 bilhões em 2011.

Segundo a Abima/Nielsen, os dados comprovam que o consumidor nacional tem procurado por produtos com mais sofisticação e maior praticidade. A tendência foi observada em 2010 e manteve-se no ano passado. “O aumento do poder de compra dos brasileiros promove a busca por produtos mais sofisticados. Com dinheiro na mão, as pessoas podem experimentar mais e comprar massas já recheadas, por exemplo. Além disso, o número de pessoas que moram sozinhas e que procuram praticidade também aumentou, o que explica o crescimento das massas instantâneas”, afirma Claudio Zanão, presidente da Abima. Em volume, os brasileiros consumiram 51 mil toneladas de massas frescas e 183 mil toneladas de massas instantâneas em 2011.

 Fonte: Assessoria de Comunicação da Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias (Abima)/ Portal Abras

Anvisa recomenda menos sal na produção do pão francês

Agência lançou guia para preparo de alimentos.
Objetivo é melhorar o teor nutricional nos gêneros alimentícios brasileiros.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou um documento que deverá servir de modelo para o preparo de alimentos, com o objetivo de controlar os nutrientes usados na alimentação brasileira e combater doenças crônicas como pressão alta e problemas cardiovasculares. Entre as principais indicações, está a redução do teor de sal no pão francês.

Com o nome de Guia de Boas Práticas Nutricionais, o texto está disponível no site da agência. A Anvisa cita dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) para elencar os benefícios da redução do sal na dieta brasileira. A adoção ao guia é voluntária.

Segundo o órgão ligado às Nações Unidas, a queda no consumo de sal para 5 gramas por dia reduziria em até 10% a pressão arterial dos brasileiros e óbitos por infarto e em 15% os casos de mortes por derrames.

Para a Anvisa, essa meta faria a expectativa de vida dos hipertensos aumentar em quatro anos no país, com 1,5 milhão de pessoas sendo dispensadas da necessidade de remédios para controlar a doença.

Sódio e pão francês
Segundo a Anvisa, o pão francês é uma das principais rotas para a entrada do sódio na população brasileira. Encontrado no sal de cozinha comum, o elemento químico pode elevar a incidência de doenças crônicas comuns e não transmissíveis como as cardíacas e as renais.

O sal em excesso é misturado com a farinha de trigo usada na produção do pãozinho. Atualmente, cada unidade contém 50 gramas, sendo 320 miligramas de sódio. O objetivo da Anvisa é reduzir esse teor em até 10% em 2014, derrubando para 289 miligramas o volume do elemento químico no alimento.

No Brasil, o sódio é ingerido acima da recomendação da OMS. Jovens entre 10 e 13 anos consomem o elemento químico além do máximo tolerável. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a média do consumo diária de pão é de 53 gramas (pouco mais que um pãozinho).

O Ministério da Saúde assinou em dezembro de 2011 um termo de compromisso para redução do teor de sódio no pão francês de 2% para 1,8% até 2014. O acordo foi feito junto a órgãos ligados à produção do alimento como as associações brasileiras das indústrias de Alimentação (Abia), de Massas Alimentícias (Abima) e de Panificação e Confeitaria (Abip), além da Associação Brasileira da Indústria de Trigo (Abitrigo).

Fonte:   G1 (Ciência e Saúde)

Abimilho elege nova diretoria

bimilho elege nova diretoria A Associação Brasileira das Indústrias do Milho (Abimilho) acaba de eleger sua nova diretoria, para o biênio 2012-2013. “Além de lutar pelos interesses de nossos associados, a Abimilho vai focar ações que agreguem valor a todos os elos da cadeia do milho”, diz o presidente reeleito da entidade, Nelson Kowalski. Uma das principais bandeiras da entidade é a promoção de ações voltadas para aumentar o consumo de derivados de milho, a exemplo da campanha “Milho é Melhor” e do Prêmio Abimilho de Jornalismo. A composição da nova diretoria é a seguinte: Presidente: Nelson Kowalski Vices-presidentes: Anderson Miranda; Armando Santos de Almeida Jr.; Eduardo Henrique de Oliveira e Silva; José Ronald Rocha; Paulo Sergio Guimarães Santos; 1º Secretário: João Carlos Roman; 2º Secretário: Luiz Carlos Lozio 1º Tesoureiro: Valdeci Sebastião da Cruz; 2º Tesoureiro: Wanderlei João Faganello Alex Branco alex.branco@uol.com.br alexbranco09@gmail.com Abimilho elege nova diretoria A Associação Brasileira das Indústrias do Milho (Abimilho) acaba de eleger sua nova diretoria, para o biênio 2012-2013. “Além de lutar pelos interesses de nossos associados, a Abimilho vai focar ações que agreguem valor a todos os elos da cadeia do milho”, diz o presidente reeleito da entidade, Nelson Kowalski. Uma das principais bandeiras da entidade é a promoção de ações voltadas para aumentar o consumo de derivados de milho, a exemplo da campanha “Milho é Melhor” e do Prêmio Abimilho de Jornalismo. A composição da nova diretoria é a seguinte: Presidente: Nelson Kowalski Vices-presidentes: Anderson Miranda; Armando Santos de Almeida Jr.; Eduardo Henrique de Oliveira e Silva; José Ronald Rocha; Paulo Sergio Guimarães Santos; 1º Secretário: João Carlos Roman; 2º Secretário: Luiz Carlos Lozio 1º Tesoureiro: Valdeci Sebastião da Cruz; 2º Tesoureiro: Wanderlei João Faganell

jfdghjhthit45